22/07/2014


VALEM UMA FORTUNA

Caro amigo R: Jesus nos abençoe.
Escrevo esta pequena missiva apenas em consideração às suas dúvidas sinceras.
Você tem sido companheiro de grande valor.
Infelizmente, no entanto, depois de tantos anos de Doutrina, você ainda não conseguiu a sua independência de pensamento.
Tem medo da crítica.
Sobretudo, receio de que, dentro do Movimento, a sua posição seja questionada.
Aceite um conselho: não se iluda ao seu próprio respeito, e, tampouco, a respeito dos outros.
Não desencarna assim, não.
Enquanto você ainda dispõe de certo tempo no corpo, que, em breve, haverá de deixar, procure ampliar o horizonte de suas concepções em torno da Vida além da morte.
Acredite: ela é muito maior, e mais complexa, do que possa constar nos melhores livros, que você, em vários lustros, possivelmente, tenha compulsado.
Não se apegue à letra tanto assim – inclusive (isto, talvez, lhe venha a soar como nova heresia minha), à letra da Codificação!
Não dê valor a cargos e posições – e, mesmo ao nome-rótulo que você conquistou com trabalho e suor, não dê valor. Isto tudo é ilusão.
Aqueles que conseguem percorrer longas distâncias, para, por fim, baterem às portas de luz da Verdade, quase sempre, somente podem contar com a companhia da própria consciência, e de mais ninguém.
Não continue fazendo Espiritismo para agradar um suposto poder intelectual que nele não existe, e nem nunca existirá.
Não tema retaliações, pois, no máximo, haverão de dizer que você, quase no termo da existência, tornou-se obsedado, ou, se forem mais caridosos, que caiu vítima de “Alzheimer”.
Os parentes de Jesus também diziam que Ele havia perdido o espírito, e, várias vezes, conforme se pode ler no Evangelho, tentaram se apoderar Dele, porque, afinal, Ele os estava comprometendo.
Na experiência carnal, é muito fácil reincidirmos em antigos equívocos no campo da fé, principalmente quando não ousamos romper com os elos da pesada corrente da ortodoxia que nós próprios forjamos.
Por isto, meu caro, encha-se de coragem e, embora com as pernas enfraquecidas pelo tempo, ouse um passo além. Recorda-se de Paulo, em Hebreus, capítulo 12, versículos 12 e 13?! – “... restabelecei as mãos decaídas e os joelhos trôpegos; e fazei caminhos retos para os vossos pés...”
Deixa essa turma para trás, pois, com quem, se imaginando na vanguarda, se compraz na retaguarda, fazer o quê?!
Não fuja ao testemunho.
Rompa com o establishment espírita e siga adiante.
Seja livre.
Reivindique o direito de ser você mesmo.
Se meia dúzia de Centros Espíritos continuarem lhe convidando para proferir palestras, o que você quer mais?! Se meia dúzia de amigos continuarem lhe prestigiando a palavra, acredite que você ainda estará contando com um público enorme!...
Têm duas coisas que, na atualidade, como dizia minha mãe, está reduzindo os espíritas “a pó de traque”: poder e dinheiro! Esta dupla das trevastem promovido um verdadeiro arraso em nossas fileiras!
Não, não se preocupe. Você não vai ter que pagar nada pelo que estou lhe dizendo...  Eu não vou lhe cobrar um centavo sequer por estas palavras, mas, verdadeiramente, elas valem uma fortuna.
Se puder, enriqueça-se com elas.

INÁCIO FERREIRA
Uberaba – MG, 21 de julho de 2014.

21/07/2014


Ver e Olhar

Morre o nosso querido Rubem Alves.
Palavra doce vinha de sua escrita. Cheia de mel. Gostosa de se ler. Ele era vivaz com o que dizia e escrevia. Era como se suas palavras tivessem vida, saltassem aos nossos olhos, tamanha a limpidez de como descrevia.
Rubem Alves se foi para o povo de Deus aí entre vocês, mas ganhamos um poeta dos bons para iluminar ainda mais os céus.
Espero Rubem Alves podermos nos encontrar logo. Quando você abrir os olhos do lado de cá da vida vai encontrar muita surpresa. Vai encontrar também a normalidade dos dias que nos pede trabalho e ação, meu caro.
A vida, Rubem, é este olhar detido em cada coisa, como você bem expressou. Precisamos aprender a ver as coisas e não simplesmente olhá-las.
Olhar, tirando aqueles desprovidos da visão física, toda a gente pode fazer. Passam os olhos nas coisas, nas pessoas, na natureza, e nada registram de extraordinário. Tem a impressão que é tudo igual, nada demais.
Ver é diferente, exige compreensão abstrata das coisas, porque ver é ir além do aparente, do superficial, do elementar.
Ver exige sensibilidade para entrar nas coisas, percebê-las por dentro, o que elas realmente representam.
Vejo pessoas passarem pela vida e não enxergaram um palmo além do seu nariz. Pobres coitadas. São mais cegos, muitas vezes, do que aqueles que desprovidos dos sentidos de ver.
Tem gente cega que vê mais do que milhões de pessoas juntas. Sabe por quê? Porque consegue enxergar a essência de tudo.
Isto é ver: enxergar a essência das coisas.
Ver a alma e não apenas um rostinho bonito.
Ver a luminosidade fulgurante ao redor de uma simples folha.
Ver a solidão de alguém que aparenta alegria.
Ver a verdade de quem é pura hipocrisia.
Ver a si próprio, transparente, do jeito que é. Esta é a visão que Deus quer.
Tenha bons olhos do lado de cá, meu bom Rubem. Todos aguardamos o seu despertar para juntos continuarmos a ver a vida como ela é e nos surpreender da beleza inesgotável do nosso Criador.
Paz,
Helder Camara

20/07/2014

Jesus, o ser mais perfeito que já esteve na Terra, afirmou que todos estamos destinados à grandeza espiritual, e que o Pai espera por nós, razão pela qual, também Ele se empenha em nos ajudar realizando a vontade superior que O enviara ao planeta de sombras e de provas.
Apesar disso, se desejares apressar a tua conquista embora disponhas dos instrumentos da ciência e do conhecimento, recorre ao amor, que é a resposta de Deus a todos os anelos humanos, e que somente está esperando, que esse ser desejoso de felicidade, que és tu, te empenhes na conquista de ti mesmo e do teu irmão, dessa forma atingindo o momento culminante, que é a total entrega a Deus.
Livro no Rumo da Felicidade - Divaldo P Franco - Joanna de Ângelis

19/07/2014

O Dr. Bezerra de Menezes me transmitiu essa mensagem para compartilhar com os amigos da internet.
"Meus filhos. Precisamos solidificar as nossas relações familiares com mais amor e entendimento. Há muitos famintos no mundo, mas também há famintos de amor em nossa própria casa. A violência vem ceifando muitas vidas, mas há também a violência física ou moral que se inicia nos próprios lares. Há famílias perdendo filhos nas guerras, mas há famílias perdendo filhos para as drogas. Se o materialismo destruidor pode explicar esse cenário de aflição, só o amor é capaz de prevenir e restaurar, corrigir e reerguer. Falemos mais sobre Deus com nossos filhos. Coloquemos mais amor em nossas atitudes dentro de casa. Isso é urgente!"
José Carlos De Lucca

18/07/2014


Solidão Jamais!

Não te percas jamais de ti.
Por mais que queiras fugir de ti, de tuas responsabilidades, de teus queixumes, não te deixes fugir.
Enfrenta, dia a dia, as tuas dificuldades.
Não permitas ir embora e deixar os teus problemas sem solução. Outro dia voltará e te cobrará atenção.
Se te achas impotente para assumir as responsabilidades maiores, pede ajuda ao Pai, Ele te auxiliará, como sempre faz, na tua caminhada redentora.
Quem acha nada poder fazer, engana-se completamente. Pelo contrário, temos dentro de nós as raízes da verdade. Basta deixá-la fluir dentro de nós.
Aos pessimistas, aos antagônicos, eu digo: é possível, sempre é possível. 
Porque tenho fé, fé no grande, no maior de todos. Isto eu sei.
Conduza-me, Pai, para as soluções devidas. Não as minhas que podem ser tortas, díspares da Tua vontade.
Segue-me os passos e oferece-me o caminho melhor, pode até ser tormentoso, difícil de passar, mas se é o melhor, então vou por ele.
Que eu veja os resultados a serem atingidos, onde vou chegar, e minha glória já se faz porque sei que Tu me conduzes.
Faze o mesmo, pelo amor de Deus, faze o mesmo.
Não te imagines só, jamais.
Confia e segue, o Pai não te abandonará. Mesmo que aparentemente nada haja, que teus olhos se sintam vazios, Ele estará presente, Ele se manifestará. É só pedir e Ele se mostrará pleno e a Tua disposição.
Segue conosco, Pai, e nossos dias serão de eterna esperança e renovação.
Um abraço,
Helder Camara

17/07/2014


 Questão 317 do Livro dos Espíritos
    AMOR A PÁTRIA

    Os espíritos que conservam o amor à pátria depois do túmulo, são aqueles que não conseguem sentir o amor no coração de maneira universal. O conceito de pátria para o espírito puro é o universo, toda a criação de Deus. Sabe-se lá quantas pátrias já lhe serviram de berço? Quantos pais e mães, irmãos e parentes não terá tido?
    O amor deve ser aquele ensinado por Jesus, sem barreiras, de sorte a abranger toda a humanidade encarnada e desencarnada. Mas, que seja o amor a Deus sobre todas as coisas.
    O ignorante é que briga, mata, em defesa da sua Terra. Quanto sangue é derramado neste sentido! Quantos sofrimentos ele não causa nas famílias, por pais e filhos que morrem nas linhas de frente, por causa de orgulho e egoísmo dos que não sabem onde estão sendo travadas as batalhas! - A luta que devemos travar todos os dias é com as nossas imperfeições e procurar vencer a nós mesmos. Por que brigar por causa de um pedaço de terra, sendo que não levamos para o além as coisas exteriores? Devemos, sim, amar a nossa pátria, como amar as outras pátrias, amar a tudo que existe, em relação às necessidades desse amor.
    Francisco de Assis foi um exemplo desse amor, quando chamava a tudo e a todos de irmão, pois, foi Deus quem fez todas as coisas. O amor, como virtude divina por excelência, não pode ser regional, mas transformar-se em fratemidade universal, acolhendo todos os povos para o seu ninho de amor, e fazendo viver tudo na pulsação do Divino Doador da vida. Essa pergunta traz um comentário inteligente de Allan Kardec, que todos devem ler, sem que haja análise da nossa parte.
    O sábio é um homem universal, pode-se dizer, sem pátria definida, como o santo e o místico. O homem puro de coração vive no eterno, respira dentro de Deus e assimila as grandes verdades por intuição divina. O amor à pátria relaciona o mesmo amor a família que Jesus fala no evangelho: O meu pai, a minha mãe e irmãos são aqueles que fazem a vontade de Deus. Certamente que temos compromissos quando encarnados, com a família e com a pátria, com os trabalhos e mesmo com grupos de almas que acompanhamos e que nos acompanham, mas, acima de tudo isso, é amar a Deus, que significa amar a tudo o que Ele fez, com o amor que Jesus nos ensinou e viveu.
    O amor à pátria e o nosso dever para com ela, de ajudar o progresso onde estagiamos, não é expresso pelo matar para defendê-la; ajudar a pátria é ser honesto nas leis que regulam a sua economia, sem negar o nosso dever como filho da nação à qual pertencemos. Estamos a caminho do amor universal. O tempo está começando a nos falar na linguagem dos fatos. Esperemos!
    A maioria dos espíritos desencarnados que circulam no planeta são espíritos que alimentam paixões inferiores, são almas que brigam e inspiram os homens para tal pensamento belicoso, no sentido de defender a pátria, sem mesmo raciocinar que uma pátria não pode viver sem a cooperação da outra, e todas de Deus. Quando todas as nações se unem, no verdadeiro clima da fraternidade, quando o amor puro inspirar todas as criaturas no comando das pátrias, o mundo passará a ser reflexo do céu, e os homens respirarão o clima dos anjos.
 
Filosofia Espírita VII -João Nunes Maia - Miramez - Livro a venda

16/07/2014


CIÊNCIAS APLICADAS

90 –As ciências aplicadas, como a Agricultura, a Engenharia, a Medicina, a Educação e a Economia representam o campo de esforço dos Espíritos encarnados, para amplificação dos conhecimentos do homem, em benefício material da Humanidade?
-As ciências aplicadas são as forças que se mobilizam para as comodidades da civilização; todavia, apesar de suas características materiais, é dentro de seus quadros que se organizam os esforços abençoados do Espírito, em provas de regeneração ou em missões purificadoras, na sua marcha ascensional para o perfeito.
Entrosando-se com as atividades complementares das demais expressões científicas do planeta, todas se harmonizam, nas lutas do homem, como recursos terrenos para o desiderato das finalidades divinas.
91 –No quadro das ciências, as inspirações do plano superior são destinadas a determinados estudiosos ou lançados de maneira geral para todos os cientistas?
-Nos departamentos da atividade científica existe às vezes, esse ou aquele missionário, com tarefa especializada e conferida, tão-somente ao seu esforço.
Em se tratando, porém, de idéias e aparelhos novos, nos movimentos evolutivos, as inspirações do plano espiritual são distribuídas em todas as correntes do pensamento humano, percebendo-as, contudo, somente aqueles que se encontram sintonizados com as suas vibrações.
92 –O agricultor, aplicando os conhecimentos da ciência para a melhoria do seu meio ambiente e elevação do nível social em que se encontra, cumpre, também, missão espiritual?
-O homem recebeu, igualmente, uma grande tarefa junto ao solo do globo, fonte de manutenção de sua existência, competindo-lhe o bom serviço de cultivar e aperfeiçoar o trato da terra, sob a sua ordenação transitória, porquanto é na oficina do orbe que ele se prepara, de modo geral, para o seu futuro infinito, cheio de beleza e de realizações definitivas no plano eterno.
93 –O engenheiro, na movimentação dos patrimônios materiais do orbe, alargando as possibilidades de comunicação entre os povos, é amparado pelas forças espirituais?
-As fontes de proteção do plano invisível amparam todos os esforços generosos e sinceros que objetivam não só o aperfeiçoamento da escola planetária, como também o de seus filhos. Assim, temos de reconhecer no engenheiro abnegado um obreiro do progresso e da fraternidade.
Essa a razão pela qual as grandes obras da engenharia, em sua feição beneficiária, apesar de materiais, possuem elevada significação pela extensão de sua utilidade ao espírito coletivo.
94 –Como é considerada nos planos espirituais a medicina terrena?
-A medicina humana, compreendida e aplicada dentro de suas finalidades superiores, constitui uma nobre missão espiritual.
O médico honesto e sincero, amigo da verdade e dedicado ao bem; é um apóstolo da Providência Divina, da qual recebe a precisa assistência e inspiração, sejam quais forem os princípios religiosos por ele esposados na vida.
95 –Em face dos esforços da Medicina, como devemos considerar a saúde?
-Para o homem da Terra, a saúde pode significar o equilíbrio perfeito dos órgãos materiais; para o plano espiritual, todavia, a saúde é a perfeita harmonia da alma, para obtenção da qual, muitas vezes, há necessidade da contribuição preciosa das moléstias e deficiências transitórias da Terra.
96 –Toda moléstia do corpo tem ascendentes espirituais?
-As chagas da alma se manifestam através do envoltório humano,. O corpo doente reflete o panorama interior do espírito enfermo. A patogenia é um conjunto de inferioridades do aparelho psíquico.
E é ainda na alma que reside a fonte primária de todos os recursos medicamentosos definitivos. A assistência farmacêutica do mundo não pode remover as causas transcendentes do caráter mórbido dos indivíduos. O remédio eficaz está na ação do próprio espírito enfermiço.
Podeis objetar que as injeções e os comprimidos suprimem a dor; todavia, o mal ressurgirá mais tarde nas células do corpo. Indagareis, aflitos, quanto às moléstias incuráveis pela ciência da Terra e eu vos direi que a reencarnação, em si mesma, nas circunstâncias do mundo envelhecido nos abusos, já representa uma estação de tratamento e de cura e que há enfermidades d ‘ alma, tão persistentes, que podem reclamar várias estações sucessivas, com a mesma intensidade nos processos regeneradores.
97 –Se as enfermidades são de origem espiritual, é justo a aplicação dos medicamentos humanos, a cirurgia, etc, etc?
-O homem deve mobilizar todos os recursos ao seu alcance, em favor do seu equilíbrio orgânico. Por muito tempo ainda, a Humanidade não poderá prescindir da contribuição do clínico, do cirurgião e do farmacêutico, missionários do bem coletivo. O homem tratará da saúde do corpo, até que aprenda a preserva-lo e defende-lo, conservando a preciosa saúde de sua alma.
Acima de tudo, temos de reconhecer que os serviços de defesa das energias orgânicas, nos processos humanos, como atualmente se verificam, asseguram a estabilidade de uma grande oficina de esforços santificadores no mundo. Quando, porém, o homem espiritual dominar o homem físico, os elementos medicamentosos da Terra estarão transformados na excelência dos recursos psíquicos e essa grande oficina achar-se-á elevada a santuário de forças e possibilidades espirituais junto das almas.
98 –Nos processos de cura, como deveremos compreender o passe?
-Assim como a transfusão de sangue representa uma renovação das forças físicas, o passe é uma transfusão de energias psíquicas,com a diferença de que os recursos orgânicos são retirados de um reservatório limitado, e os elementos psíquicos o são do reservatório ilimitado das forças espirituais.
Da  obra “O Consolador” – Espírito: Emmanuel – Médium: Francisco Cândido Xavier