23/04/2014

Questão 299 do Livro dos Espíritos
     METADE

    Essa questão sobre uma suposta "metade", foi muito bem respondida pelo Espírito; ela é oriunda da mesma fonte da "alma gêmea".
    Quando se chama de metade ao espírito que acompanha outro com profunda afinidade, e se referindo à fusão de sentimentos análogos, e se aceitamos que os dois formam um, pelos laços do coração, entendemos que, apartando-se um, ambos ficam incompletos. Assim, essa expressão é somente filosófica, ficando no abstrato porque, na verdade, o espírito é individual e indivisível, e o amor, como já dissemos, deve ser universalizado, força essa que nos une a todos e todos em Deus.
    Na verdade, nunca podemos viver separados dos outros espíritos; estamos sempre juntos em toda parte, tanto na Terra como no mundo espiritual, e é pelo conjunto que vivemos felizes, buscando a felicidade em Cristo Jesus. A expressão "cara metade" na Terra, geralmente é usada entre os casais, significando que é a metade do outro nos compromissos assumidos ante a vida material. Depois, a própria lei da reencarnação leva-os a buscar outra metade em novos compromissos, obrigações essas que os conduzem a um amor maior, de modo que esse amor cresça, buscando abranger a tudo e a todos.
    É a mesma coisa que se pode entender nessa linguagem tão comum entre os casais, "minha mulher", "meu marido". Não se pode julgá-la na profundidade do termo; é apenas figura de expressão. Ninguém tem posse de ninguém porque, se hoje estão juntos, amanhã estarão separados pela lei divina e universal da reencarnação. Não vamos entender "cara metade" como uma realidade, como se fosse de fato uma metade do outro. Assim, o homem seria uma obra incompleta, e Deus, sendo Deus, faz tudo com perfeição.
    A luta da fratemidade é fazer desaparecer o egoísmo; a luta do perdão é fazer desaparecer a vingança; a luta do amor é fazer desaparecer o ódio. O Evangelho, em muitas falas, nos traz muita figuração. Jesus falava por parábolas, de sorte que os ensinos pudessem varar os séculos e chegar até aos dias atuais, trazendo a mensagem no seu fulgor primitivo.
    A simpatia é unidade do amor que marca a individualidade. Mesmo sendo ela nascida dos sentimentos inferiores, se pode deixar de ser simpatia no meio dos espíritos que desconhecem a verdade, prova que os dois que antes simpatizavam entre si não eram parte um do outro, porque a antipatia os separa e eles podem viver bem cada um em lugar diferente.
    Os que amam e são evoluídos encontram, em todos os seus semelhantes, irmãos que devem dar as mãos em todos os serviços da fraternidade. Se encontrarmos alguém com o ideal do bem, na firmeza de todos os propósitos inspirados no amor, tenhamo-lo como nossa metade, e copiemos seus feitos, porque isso é bom para a nossa paz interna.
    Devemos compreender que Jesus dirige o rebanho da Terra. Nós todos somos Suas ovelhas, e cada uma, mesmo individualizada pela sua formação está ligada às outras pelo amor de Deus. Todos juntos formamos uma corrente divina, e cada criatura representa um elo. Estamos presos uns aos outros pelo amor de Deus.
 

Livro: Filosofia Espírita - João Nunes Maia - Miramez

22/04/2014


IDEIA OBSESSIVA PERSISTENTE

Acautele-se contra a ideia obsessiva persistente, que, volta e meia, esteja a influenciá-lo.
Pode ser, por exemplo, que ela se manifeste em forma de sugestão de que está doente, ou, então, de que você esteja cansado.
Todos os dias, de maneira discreta, ela o visita, fazendo com que experimente sintomas de doenças que não existem, ou de sinais de cansaço que não se justifica.
Claro que, a princípio, você a rechaça, afugentando da cabeça os pensamentos que a veiculam, e, que, no fundo, desejam inutilizá-lo para o trabalho.
Contudo, se não tomar providências mais sérias para vencê-la, ela terminará por somatizar-se, utilizando o seu próprio psiquismo para vampirizar-lhe o corpo.
De repente, então, os sintomas e sinais que experimenta se mostrarão mais intensos, fazendo com que você comece a peregrinar de médico em médico, ou permanecer a maior parte do tempo deitado.
Assim, se ela conseguir subjugá-lo, a doença que não existe passará a existir, e o seu cansaço imaginário se tornará real.
Quando menos esperar, você estará tomando um número enorme de medicamentos, que, de fato, através de suas reações adversas, poderão fazer com que um quadro patológico se instale...
Noutra hipótese, a sua prostração moral, transfigurando-se em abatimento físico, ao conduzi-lo à imobilidade, impedirá que tenha ânimo para despender o mínimo esforço que lhe requisite os braços...
Acautele-se, porque, nem sempre, os espíritos obsessores que tencionam prejudicá-lo, manifestam-se às claras, facilitando o diagnóstico da influência nociva que lhes esteja a sofrer.
Não raro, a fim de interferir em seu aproveitamento na atual experiência reencarnatória, eles pelejam para, simplesmente, anulá-lo em sua capacidade de trabalho e realização.
Fazendo com que você, ao se transformar em doente crônico, cruze os braços, eles se darão por satisfeitos, e deixarão que o resto corra por conta de seus medos e queixas sistemáticas, com os quais, infelizmente, muitos passam a ocupar a maior parte do tempo nos dias que, inutilmente, se lhes sucederão.
Portanto, mesmo que, em face de suas lutas e provas, esteja, possivelmente, se sentindo algo doente ou cansado, não se permita no interromper de suas atividades materiais, e muito menos de suas tarefas de natureza espiritual.
Não se entregue à ideia obsessiva de que, por exemplo, na atualidade, você esteja morando num corpo excessivamente desgastado, ou mesmo prestes a desencarnar, empreendendo viagem de volta à Pátria Espiritual...
Quase todas as maiores vitórias que o espírito é capaz de alcançar contra as imperfeições em si mesmo, acontecem justamente quando ele se veja arrastando para cumprir com o dever, e não quando exatamente ele possa dispor de movimentos livres para caminhar por onde os seus pés possam levá-lo.
E, depois, é melhor que você, realmente doente ou cansado, tombe em serviço, do que venha a expirar em cima de uma cama.

INÁCIO FERREIRA
Uberaba – MG, 21 de abril de 2014.

21/04/2014

Paz Interior

Você vive em paz?
Paz é um bem muito precioso, só sabe disso quem não a tem. Eu vivo em paz, mas confesso que os meus dias sem paz são terríveis. Viver sem paz é como viver a esmo, a deriva, sem referências seguras.
Viver em paz é arte – e das maiores.
Viver em paz resulta de uma ampla compreensão interna do que seja a vida. Somente quem compreende bem a vida pode viver em paz.
A paz se consegue todo dia, a toda hora. Não se inventa a paz, ou se consegue de verdade ou vive-se na escuridão de si mesmo. 
Há nada mais desesperador do que ficar na escuridão, não ver quem quer que seja, não saber aonde ir, o que fazer?
Pois bem, a paz é um sentimento de segurança interior. Quando se está em paz a pessoa tudo vê, sabe onde vai e o que quer na vida. Por isso, vive em paz.
Paz interior, que tesouro a descobrir.
Tem gente que imagina que a paz interior se encontra nas coisas da vida. Num carrão, numa casa sofisticada, numa roupa da moda, em coisas materiais. Estas pessoas, na prática, vivem o tempo todo em angústia. Tenho pena delas, meu Pai, pois vivem na ilusão, em profunda guerra interior até obter o bem desejado. E haja mais angústia.
Viver em paz é uma arte porque buscamos aprender isso todos os dias. Embora já tenhamos avançado em muitos pontos na arte de viver em paz temos sempre o que aprender.
Eu vivo em paz, mas a busco sempre. Sim, porque se relaxarmos, se deixarmos de nos comportar em direção a paz, ela vai se distanciar de nós.
A paz interior reflete o nosso estado de espírito. Espírito conturbado, preocupado com as coisas do dia a dia, inevitavelmente dificilmente terá paz por dentro.
A paz tem a ver também em como vemos as coisas da vida.
Ver tudo com olhos de otimismo é um estado de paz interior.
Ter esperança em todas as situações é conhecer a paz interior.
Saber que tudo passa, nada é definitivo, se consegue a paz interior.
Ter a consciência espiritual faz-nos ter paz interior.
Paz interior, portanto, se conquista.
Conquista-se ao nos conquistarmos. Pense nisso. Se você não se conquista jamais haverá de ter paz.
Conquiste-se, portanto, a cada dia. Cada vez um pouco mais. Dia após dia, você haverá de viver em paz.
Viver em paz é tudo que importa.
Que a paz de Jesus, que não é uma paz qualquer, esteja sempre com você.
Um abraço,
Helder Camara

20/04/2014

VISÃO ESPÍRITA DA PÁSCOA
O Espiritismo não celebra a Páscoa, mas respeita as manifestações de religiosidade das diversas igrejas cristãs, e também não proíbe que seus adeptos manifestem sua religiosidade.
Páscoa, ou Passagem, simboliza a libertação do povo hebreu da escravidão sofrida durante séculos no Egito, mas no Cristianismo comemora a ressurreição do Cristo, que se deu na Páscoa judaica do ano 33 da nossa era, e celebra a continuidade da vida.
O Espiritismo, embora sendo uma Doutrina Cristã, entende de forma diferente alguns dos ensinamentos das Igrejas Cristãs. Na questão da ressurreição, para nós, espíritas, Jesus apareceu à Maria de Magdala e aos discípulos, com seu corpo espiritual, que chamamos de perispírito. Entendemos que não houve uma ressurreição corporal, física. Jesus de Nazaré não precisou derrogar as leis naturais do nosso mundo para firmar o seu conceito de missionário. A sua doutrina de amor e perdão é muito maior que qualquer milagre,  até mesmo a ressurreição.
Isto não invalida a Festa da Páscoa se a encararmos no seu simbolismo. A Páscoa Judaica pode ser interpretada como a nossa libertação da ignorância, das mazelas humanas, para o conhecimento, o comportamento ético-moral. A travessia do Mar Vermelho representa as dificuldades para a transformação. A Páscoa Cristã, representa a vitória da vida sobre a morte, do sacrifício pela verdade e pelo amor. Jesus de Nazaré demonstrou que pode-se Executar homens, mas não se consegue matar as grandes ideias renovadoras, os grandes exemplos de amor ao próximo e de valorização da vida.
Como a Páscoa Cristã representa a vitória da vida sobre a morte, queremos deixar firmado o conceito que aprendemos no Espiritismo, que a vida só pode ser definida pelo amor, e o amor pela vida. Foi por isso que Jesus de Nazaré afirmou que veio ao mundo para que tivéssemos vida em abundância, isto é, plena de amor.
Texto extraído do blog caminhos da luz.

19/04/2014

 Expressando-se com paciência  diante dos revides  do adversário, trabalha pelo seu bem mediante os mais diferenciados métodos que lhe estejam ao alcance.
A perseverança nos propósitos dignos consegue demonstrar que os sentimentos íntimos já não são os mesmos do momento perverso,
Livro: No Rumo da Felicidade - Divaldo P. Franco - Joanna de Ângelis

18/04/2014

 É sempre fácil observar o mal e identificá-lo. Entretanto, o que o Cristo espera de nós outros é a descoberta e o cultivo do bem para que o Divino Amor seja glorificado.

Livro: Agenda Cristã - Francisco C Xavier - André Luiz

17/04/2014


Verdade

A verdade é absoluta, ela há sempre de prevalecer, não há aquele que possa usurpá-la, escondê-la por muito tempo, pois um dia, um belo dia, ela inevitavelmente aparecerá. Se é assim, se ela prevalecerá, por que ofuscá-la, ignorá-la?
Jesus disse-nos que haveríamos de conhecer a verdade e que ela nos tornaria livres.
Livres.
Livres da mentira que nos desvia do que é certo e bom.
Livres da ignorância que nos faz caminhar seguramente.
Livres da opressão de quem deseja impor a sua verdade.
Livres de tudo que não nos leve ao Pai.
A verdade quando aparece é insofismável, é absoluta, é transparente, é cristalina, ninguém resiste a ela.
Trabalhar com a verdade é sempre bom porque ninguém vai te desmentir. Você vai ficar sempre seguro. Se errar alguma tarefa, não tem problema, confessa, pede desculpas e segue em frente. Já imaginou ter que trabalhar a vida inteira escondendo uma verdade?
A verdade também se faz imprescindível na política, mas como ela anda esquecida por lá... Encontrar um político que tenha compromisso com a verdade não é fácil. Maioria deles cria a sua própria verdade. Para defender os seus interesses pensa num argumento, dá forma a ele e passa a defendê-lo com unhas e dentes. De tanto falar em algo que não existe, imagina ser verdade o que nunca foi, mas o povo não é besta não, o povo sabe das coisas.
Tratar com a verdade nos deixa livre dos vexames. Quanta gente já vi pega na mentira. Meu Deus, que decepção. Falar a verdade é bom sempre porque evita estas situações de constrangimento porque depois não tem desculpa, as justificativas ficam vazias, sem pé nem cabeça.
A verdade dói, uma verdade pode doer, mas que assim seja, dói mais é mentira meu povo quando é descoberta. Vale mais uma verdade do que mil mentiras na vida de alguém.
Tenho pena das pessoas que vivem numa mentira, numa imensa mentira. Vivem uma vida que não existe e quando acordam do lado de cá, pasmem, desnudas de tudo, ainda defendem as suas mentiras como verdades fossem. Triste cena ver um irmão que se envolveu tanto com a mentira que nem sabe mais onde está a verdade.
Tenho pena também daqueles que inventam uma mentira para se safar e quando veem estão tão envolvidos nela e nem sabe mais como sair.
A verdade, Pai, sei que está sempre conjugada com o amor, sempre. Se há amor é porque ali está a verdade.
Meu Deus, faça a todos conhecerem a verdade. E sei que um dia será. Um dia seremos conhecidos como verdadeiramente somos, dizia o apóstolo Paulo.
Seremos conhecidos como espíritos imortais que somos, filhos do Altíssimo, irmãos das estrelas, amantes da verdade.
Que assim seja, Pai!
Helder Camara