19 de ago de 2017

NÃO DESCREIAS

Não descreias, amigo, de meus versos...
Sou eu mesmo, Formiga, que voltei,
Para cantar agora qual cantei,
Um dia, por caminhos tão diversos...

Sou eu mesmo que, à luz dos universos,
Dos abismos da morte regressei,
Para louvar a Vida, e quanto amei,
Nos instantes felizes ou adversos...

Sou o pobre poeta paraibano,
Fazendo aqui um esforço sobre-humano
Ao grafar estes versos que são meus...

Não descreias, portanto, aqui estou,
A voz que a morte não silenciou,
Redivivo, cantando, o Amor de Deus!...

Eurícledes Formiga

(Página recebida pelo médium Carlos A. Baccelli, em reunião pública do “Grupo Espírita da Prece”, na noite de 26 de agosto de 1989, em Uberaba – MG).

18 de ago de 2017

Entrevista de Divaldo Franco

    - Os mais recentes trabalhos de Joanna de Ângelis têm abordado temas ligados à psicologia. Qual a razão?
    Divaldo: Segundo a bondosa Mentora, ela tem o desejo de assentar algumas pontes entre o pensamento espírita e as conquistas da psicologia transpessoal. Por essa razão, nos últimos vinte anos, sem fugir aos objetivos do seu trabalho doutrinário e de consolação, ela vem abordando questões existenciais à luz do Espiritismo e da Psicologia, demonstrando que o primeiro prossegue confirmado pelas conquistas psicológicas da atualidade.
    - Comenta-se que o vocabulário empregado nas Obras de sua psicografia seria um tanto erudito. Isso tem fundamento ou se deve à falta do hábito da leitura por parte do povo?
    Divaldo: Confesso que não posso julgar a questão com segurança. Sempre que leio a Codificação busco o dicionário em muitos momentos, considerando-se a linguagem escorreita e nobre em que se apresenta (embora Kardec tivesse tido a preocupação de escrever de forma fácil, popular, para atender ao povo de todos os segmentos da cultura e da sociedade). O mesmo sucede com alguns Autores espirituais como Emmanuel, André Luiz e outros encarnados. Joanna de Ângelis desencarnou no começo do século XIX, preferindo, às vezes, uma linguagem mais cuidadosa. Como cada Autor tem o seu próprio estilo, noto diferenças significativas de linguagem nas suas páginas, como ocorre com o Espírito Ignotus, que escreve de forma muito simples. Como o Espiritismo é, também, doutrina de cultura e aprimoramento de linguagem - um dos sinais de decadência de um povo, é a falta de linguagem, o enriquecimento de gírias e empobrecimento de expressão - penso que os Espíritos preferem escrever corretamente e de forma educativa.
    - Qual o caminho do livro espírita neste novo milênio?

    Divaldo: O livro espírita é farol abençoado que aponta rumos na noite das paixões e abre caminhos na selva densa da ignorância, libertando o ser de sua inferioridade e impulsionando-o ao avanço. Assim sendo, acredito que o livro espírita desempenhará papel preponderante na preparação do milênio, conforme já vem ocorrendo.

17 de ago de 2017

Milagre?

Milagre?
    “Quando Jesus voltou, a multidão o recebeu; porque todos o estavam esperando. E eis que veio um homem chamado Jairo, que era chefe da sinagoga; e prostrando-se aos pés de Jesus, rogava-lhe que fosse a sua casa; porque tinha uma filha única, de cerca de doze anos, que estava à morte. Enquanto, pois, ele ia, apertavam-no as multidões”.
    Percebemos aqui que Jesus era reconhecido, admirado e tinha muitos que o procuravam, percebemos também a atitude de submissão, que o pai amoroso, chefe da sinagoga, assume perante Jesus, tocado de amor à sua filha.
     “E certa mulher, que tinha uma hemorragia havia doze anos (e gastara com os médicos todos os seus haveres) e por ninguém pudera ser curada, chegando-se por detrás, tocou-lhe a orla do manto, e imediatamente cessou a sua hemorragia.
    A hemorroíssa era uma mulher adulta e tinha sido privada de toda a participação na vida da comunidade devido à sua enfermidade pois sofria de uma doença pela qual era considerada em estado de impureza legal (Lev 15, 25 ss.). Nos últimos doze anos nenhum meio humano a tinha conseguido curar. Aos sofrimentos físicos, acrescentava-se a vergonha de se sentir imunda segundo a Lei. No povo judeu era considerada impura não só a mulher afetada de uma doença deste tipo, mas tudo o que ela tocava. Por isso, avaliamos a esperança dessa valorosa mulher”, que não se abateu e num esforço supremo consegue aproximar-se de Jesus e tocou apenas o Seu manto com delicadeza e soube que tinha sido curada.
     “Perguntou Jesus: Quem é que me tocou? Como todos negassem, disse-lhe Pedro: Mestre, as multidões te apertam e te oprimem. Mas disse Jesus: Alguém me tocou; pois percebi que de mim saiu poder. Então, vendo a mulher que não passara despercebida, aproximou-se tremendo e, prostrando-se diante dele, declarou-lhe perante todo o povo a causa por que lhe havia tocado, e como fora imediatamente curada”.
    O olhar da mulher mostrava o êxtase que ela sentira quando o fluxo de energias revigorantes vindo do mestre inundara o seu corpo.
     “Disse-lhe ele: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz”.
    Jesus reconhece o merecimento da mulher e sabe que ela está renovada apta a assumir novas tarefas na seara do Pai.
     “Enquanto ainda falava, veio alguém da casa do chefe da sinagoga dizendo: A tua filha já está morta; não incomodes mais o Mestre. Jesus, porém, ouvindo-o, respondeu-lhe: Não temas: crê somente, e será salva. Tendo chegado à casa, a ninguém deixou entrar com ele, senão a Pedro, João, Tiago, e o pai e a mãe da menina. E todos choravam e pranteavam; ele, porém, disse: Não choreis; ela não está morta, mas dorme. E riam-se dele, sabendo que ela estava morta”.
    O grande sofrimento de Jesus foi ter vivido numa época em que éramos muito ignorantes, preconceituosos e orgulhosos.
     “Então ele, tomando-lhe a mão, exclamou: Menina, levanta-te. E o seu espírito voltou, e ela se levantou imediatamente; e Jesus mandou que lhe desse de comer, ele mandou-lhes que a ninguém contassem o que havia sucedido”.
    Nessa passagem do evangelho de Lucas, podemos notar dois casos distintos de cura pela transfusão de energias renovadoras. Jesus conhece a energia que vem das pessoas, por isso deixou entrar com Ele João, Pedro e Tiago que eram doadores de fluidos; Ele, orientando os bons fluidos emitidos, ajuda muitas pessoas e cura os doentes. As pessoas acham que Jesus fazia milagres. Milagres são acontecimentos que vão contra a Lei de Deus e que não conseguimos explicar. Jesus não fez milagres. Ele curava as pessoas usando energia e muito amor. As pessoas para serem curadas tinham que ter fé e merecimento. Por isso Jesus dizia: "Se tiveres fé" ou "A tua fé te salvou". Jesus curava pelo olhar, através de palavras, à distância, impondo as mãos.

Evangelho: Lucas - capítulo 8; 40-56

Comentários: Antonio D. Barana.

16 de ago de 2017

AUDIÇÃO DE PALAVRAS SEM NEXO

Questão 408 do Livro dos Espíritos

Qual a razão de ouvirmos palavras sem que nelas estejamos pensando? Essas palavras, às vezes frases inteiras, que percebemos pelos sentidos espirituais, são, certamente, ditas por Espíritos que querem se comunicar com os encarnados. É esse processo que ocorre na mediunidade. Às vezes, o Espírito fala como se fosse dentro da cabeça ou, muito raro, usando mesmo a audição dos companheiros encarnados. Isso acontece todos os dias com muitas pessoas no lar, no trabalho, nas ruas e freqüentemente no lazer.
Não é muito comum entre os encarnados se avistarem vultos ou ter a impressão que há alguém por perto? São os sentidos marcando a presença de alguém. Todos somos médiuns, tanto na carne quanto fora dela. O exercício da mediunidade se faz ver em todos os lugares e o intercâmbio existe em todos os reinos da natureza, provando, assim a existência do Espírito.
A razão de ouvirmos essas vozes é que o Espírito sobrevive à morte do corpo. No futuro, as comunicações vão ficar cada vez mais nítidas, para a glória da própria vida, e encher os corações de esperanças, mas para tanto, necessário se faz que os homens preparem o coração, no sentido de saberem que a vida continua melhor do que antes.
Quando se está deitado para o devido sono, ao relaxar o corpo, eventualmente ouvem-se palavras e vêem-se vultos em torno de si; isso comprova, para quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir, a existência do Espírito, e que a vida continua além do túmulo. Tudo que acontece tem uma razão de ser. A Doutrina Espírita está preparando os homens já maduros para essa revelação em massa. Pedimos a Deus que seja breve.
Jesus, em Seu tempo, abalou o mundo com as Suas curas, com as Suas profecias, com o Seu encanto espiritual. Se o Espiritismo é Ele voltando, deve fazer o mesmo para acordar criaturas que dormem. É isso que esperamos, que seja o mesmo Cristo servindo-Se dos homens de bem, como instrumentos, para alegrarem o mundo inteiro, para mostrar aos povos que existe a felicidade, qual anunciada nas escrituras, a Nova Jerusalém, um novo mundo onde a paz e o amor sejam uma realidade como o ar que se respira.
Quando chegar esse tempo, as comunicações dos Espíritos livres da matéria com os homens será acontecimento corriqueiro, natural, qual conversar com os companheiros de trabalho, de lazer e os familiares. As vidas sucedem vidas, e o medo da morte desaparece dos homens para dar lugar à esperança e à fé, nas lides com o amor. Agradecemos a Deus e Jesus, por esses feitos, e agradecemos igualmente ao novo “apóstolo” de Jesus, Allan Kardec, pelos trabalhos que fez em favor da nossa felicidade. Estamos juntos, dando as mãos aos homens, e igualmente, dando as mãos a Jesus, em nome de Deus. Pedimos ao Senhor que possamos continuar na tarefa, e que ela sirva, para os homens, de meio para meditarem em como melhorar seus sentimentos e iluminar os corações.

Livro: Filosofia Espírita – João Nunes Maia – Miramez - Todos os livros Espíritas como este vendidos em nossa loja terão o lucro repassado à Casa Espírita de Oração Amor e Luz.

15 de ago de 2017

AMOR FRATERNIDADE – IV

         348 –Onde a causa da indiferença dos homens pela fraternidade sincera, observando-se que há geralmente em todos grandes entusiasmos pela hegemonia material de seus grupos, suas cidades, clubes e agremiações onde se verifique a evidência pessoal?
         -É que as criaturas, de um modo geral, ainda têm muito da tribo, encontrando-se encarcerados nos instintos propriamente humanos, na luta das posições e das aquisições, dentro de um egoísmo quase feroz, como se guardassem consigo, indefinidamente, as heranças da vida animal. Todavia; é preciso recordar que, após a eclosão desses entusiasmos, há sempre o gosto amargo da inutilidade no íntimo dos espíritos desiludidos da precária hegemonia do mundo, instante esse em que a alma experimenta a dilatação de suas tendências profundas para o “mais alto”. Nessa hora, a fraternidade conquista uma nova expressão no íntimo da criatura, a fim de que o Espírito possa alçar o grande voo para os mais gloriosos destinos.

         349 –Fraternidade e igualdade podem, na Terra, merecer um só conceito?
         -Já observamos que o conceito igualitário absoluto é impossível no mundo, dada a heterogeneidade das tendências, sentimentos e posições evolutivas no círculo da individualidade. A fraternidade, porém, é a lei da assistência mútua e da solidariedade comum, sem a qual todo progresso, no planeta, seria praticamente impossível.


Livro “O Consolador” –  Francisco C. Xavier – Emmanuel – Todos os livros Espíritas como este vendidos em nossa loja terão o lucro repassado à Casa Espírita de Oração Amor e Luz.

14 de ago de 2017

Embriagado de Paz

O que buscas, meu irmão?
A paz, seria então?
Eu não sei se sabes bem, mas eu estou aqui para te dizer que a paz que pretendes encontrar não está distante não.
Se desejas, de verdade, ter a paz, não há outro lugar a procurar senão no próprio coração.
Eu já viajei para muitos lugares. Já estive no Himalaia e até no Ceilão. Percorri as estradas de Damasco até Jerusalém. Fui encontrar com Jesus nas bandas da velha Palestina. Viajei para o outro extremo do mundo a procurar aquilo que estava na minha mão.
Eu sei que a nossa tendência natural é tentar encontrá-la em algum lugar ou com alguém. Parece mais que a paz é joia tão preciosa que poucos possuem o prazer de obtê-la. Mas não é isso não.
A paz, logicamente, pode ser encontrada nos mosteiros, nos seminários e até nos terreiros. Sim – e por que não?
A paz deve estar em todo o lugar, acessível a quem a ela queira possuir. Se é assim que deve ser, a paz não poderia estar senão no imo de cada coração.
Eu viajei e a encontrei em diversos lugares porque em cada um deles estava alguém lá com ela.
Ao se manifestar para mim, que a possuía, como que como uma divina provocação, promovia a paz que em mim adormecida estava.
É por isso que é comum dizer-se de muitas pessoas: “Quando estou perto dela sinto invadir imensa paz em minh’ alma”.
Ora, meus queridos! Isto é a pura realidade. A paz, quando é verdadeira, real, ela não cabe em quem a possui e se esvai naturalmente para o outro que se sente como que embriagado por ela.
Ah! O dia em que todos nós formos surpreendidos com porres homéricos de paz.
Já imaginou, a humanidade inteira embriagada de paz?
Que tontura graciosa na alma. Tonto de tanta paz.
Acho que não demora esse dia chegar, meu irmão.
- Mas quando será, Dom Hélder¿ Está tão perto assim?
Claro que está! Eu já pressinto muita gente sendo envolvida por ela e quando menos dermos conta, ela absorverá o pensamento e o sentimento de milhões e milhões.
Não foi Nosso Senhor Jesus Cristo que nos disse que felizes serão os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus?
Eu quero estar neste dia em que a paz baterá à porta de toda a gente.
Eu quero estar no dia em que os povos se juntarão como um só.
Eu quero ver a humanidade inteira se tratando como se fossem irmãos, porque é isto que somos, por Deus e por Nosso Senhor Jesus Cristo.
Eu quero ter a paz de Jesus que não é uma paz qualquer daquela que se supõe encontrar nas esquinas da vida.
Eu quero a paz de Jesus que me transcenderá de vez para perto do Pai Celestial.
O homem sente-se atraído pela paz. Sente-se feliz quando a vislumbra em si mesmo porque esta é a nossa natureza primeira. Somos seres da paz.
Enquanto este dia grandioso não chega, cuidemos de fazer bom uso da paz que já conseguimos edificar no nosso coração que se transfere para nosso irmão de caminho.
Eu quero a paz de Jesus e a desejo igualmente para você, meu irmão.


Hélder Câmara Blog - Novas Utopias

13 de ago de 2017

10º ENCONTRO NACIONAL DOS AMIGOS DE JESUS CRISTO COM CHICO XAVIER E SUA OBRA, EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – SP.

Agora, no próximo final de semana, nos dias 19 e 20, estará sendo realizado em São José dos Campos, o 10º ENCONTRO NACIONAL DOS AMIGOS DE JESUS CRISTO COM CHICO XAVIER E SUA OBRA, iniciativa, sem dúvida, das mais louváveis, que, há dez anos, foi começada na cidade de Uberaba, Minas Gerais.
Vale ressaltar, e com letras em maiúsculo, que O ENCONTRO SERÁ TOTALMENTE GRATUITO, com os irmãos e irmãs de Ideal de São José dos Campos, e vizinhanças, no Estado de São Paulo, arcando com as despesas que um conclave dessa natureza proporciona – embora, saibamos, nunca existe real necessidade de se provocar gastos além das possibilidades dos colaboradores de cada uma das cidades-sede.
Quando do I ENCONTRO, realizado em Uberaba, as críticas, partindo de alguns integrantes do próprio Movimento Espírita choveram, na tentativa de fazer com que a ideia morresse em seu próprio berço. Essas vozes dissonantes calaram-se, ou baixaram o tom, e o ENCONTRO continuou, como haverá de continuar enquanto, naturalmente, tal for possível aos seus organizadores. Nesse ínterim, inclusive, o ENCONTRO foi realizado em Portugal, na cidade de Lisboa, com a presença de grande público.
O objetivo do ENCONTRO, como se sabe, é o que colocar em destaque a OBRA MEDIÚNICA DE CHICO XAVIER como complemento da OBRA KARDECIANA, ainda enfocando os exemplos que o inesquecível MÉDIUM sempre nos transmitiu na VIVÊNCIA da Doutrina.
Infelizmente, porém, temos constatado que, em outros setores, o interesse pessoal, visando ganho financeiro, vem imperando no Movimento Espírita, sob o olhar muito complacente dos espíritas que, com as exceções de praxe, se posicionam “em cima do muro”, fazendo vistas grossas para o que, em verdade, envergonha e enlameia o nosso Movimento.
Parece que o mercantilismo, entre médiuns e oradores menos vigilantes e comprometidos com o amor à Causa, vem se generalizando cada vez mais, sob o pretexto de se gerar divisas para obras assistenciais, que, pelo arrecadado em uma só noite, ou em um só final de semana, devem ter uma despesa astronômica, e que deveriam, a nosso ver, serem submetidas a uma operação semelhante à da “LAVA-JATO”.
A verdade é que a gleba do Movimento Espírita encontra-se repleto de joio, semeado entre trigo. O que é não é novidade, visto que o próprio Cristo nos advertira a respeito, em Mateus, 13, 24-30.
A MENSAGEM ESPÍRITA NÃO DEVE SER VENDIDA PARA SUSTENTAR OBRAS DE CARIDADE, PORQUE A MENSAGEM ESPÍRITA, EM SI, É A MAIOR CARIDADE QUE PODE SER PRATICADA.
Somos de opinião que, entre se vender a Mensagem Espírita, em Congressos, Simpósios, Seminários, Encontros, etc, com o fito de se manter obras ditas de Caridade, e não manter essas mesmas obras, melhor é que elas não sejam levadas adiante.
Neste sentido, gostaríamos de apelar aos irmãos e irmãs de Ideal para que não apoiem e não compareçam a EVENTOS ESPÍRITAS PAGOS – e, não raro, regiamente pagos! –, QUE NÃO OS PRESTIGIASSEM E NEM OS PROMOVESSEM, porque a sua simples presença será um endosso a esse crime que está a se cometer contra o ESPIRITISMO.
Mesmo no que tange às OBRAS ESPÍRITAS, necessário se torna que, economicamente, elas se tornem de mais fácil acesso ao bolso dos que por elas se interessem, evitando-se os preços exorbitantes, que, por vezes, proporcionam, em cada título, um ganho de até 500%.
Não participem, pois, de PALESTRAS PAGAS – seja o espetáculo qual for: de cura, de pintura mediúnica, de psicografia, de oratória, etc. Esses tais não merecem ser vistos e, tampouco, ouvidos.
Portanto, aproveitamos aqui o ensejo para convidá-los a comparecerem nos próximos dias 19 e 20 de Agosto, em São José dos Campos, para o 10º ENCONTRO NACIONAL DOS AMIGOS DE JESUS CRISTO COM CHICO XAVIER E SUA OBRA, provando, há 10 anos, que, com um pouco de desapego e ideal, é-se possível continuar DANDO DE GRAÇA O QUE DE GRAÇA SE RECEBE.
Deus abençoe o nosso ENCONTRO, ao qual, sim, compareceremos com os Amigos de Jesus e de Chico Xavier que mourejam fora do corpo carnal, agradecendo, de nossa parte, aos espíritas de São José dos Campos pelo amor com que organizam o Evento.

INÁCIO FERREIRA

Uberaba – MG, 13 de Agosto de 2017.